índice ⭑ alterumanidade

O que é alterumane?

Alterumane é um termo guarda-chuva que pode ser definido como alguém que tem uma identidade subjetiva que está além do escopo do que se considera tradicionalmente ser humane (Alt+H), ou como alguém que tem uma experiência não-típica de identidade de espécie, incorporação, narrativa identitária ou mitologia pessoal (Allium House).

Na prática, o uso mais comum de alterumanidade é reunir sistemas plurais, otherkin, therians, theriomythics, fictionkin, conceptkin, otherhearted/otherkith, fictionhearted/fictionkith, copinglink, otherlink, fictionlink, postfurries, daemians, phytanthropes/plantkin, polimorfes, soulbonders, transumanistas e outras identidades que acabam tendo bastante coisas em comum por "praticarem humanidade errado" ou por não serem humanas ainda que outras pessoas considerem que "estão em corpos humanos".

O termo alterser foi cunhado para ser menos centrado em humanes (Alterhuman Terminology). No entanto, ele não é muito usado.

Eu não deixei a maioria dos termos ali em inglês por apreistê-los, e sim porque comunidades lusófonas sobre tais assuntos são minúsculas ou inexistentes, a maioria dos termos não pode ser facilmente traduzida, e todas as pessoas que já vi usando tais termos usam eles em inglês.

Devo avisar que nem todo mundo que faz parte dessa lista se identifica como alterumane. Não só é um termo mais novo do que todas ou várias dessas comunidades, como também é um termo que causa certas controvérsias por sua abrangência. Por exemplo, há quem se considera não-humane e/ou otherkin que vê alterumane como uma forma sutil de dizerem que são humanes e não membres de sua espécie não-humana, e há sistemas/membres de sistemas que consideram uma ofensa colocar sua pluralidade/multiplicidade como algo comparável a não se considerar humane.

Porém, assim como queer é um termo que pode ser mais útil para ume maverique assexual e panromântique ou para uma pessoa eafluida, isogênero e noviorientada do que para uma pessoa trans binária hétero ou para um homem cis gay, muita gente usa alterumane por ser algo que se encaixa em vários aspectos de sua identidade, ou para terem acesso a uma comunidade maior quando seus rótulos mais específicos são mais raros. Em espaços alterumanos, é comum ver sistemas onde mais de uma pessoa é não-humana e otherhearted, por exemplo.

Com esta página, eu vou tentar explicar subtipos de alterumanidade, especialmente tendo em mente pessoas que não conhecem o assunto e que podem querer tentar descobrir se são alterumanas. Eu entendo que há muitas nuances com o quanto a comunidade é fragmentada e que pessoas com entendimentos mais estabelecidos podem não gostar destas explicações, mas estou tentando dar o meu melhor aqui.

Observação: Termos com fontes não mencionadas podem ser achados em páginas já referenciadas. Alguns comentários ou desvios das fontes são por minhas experiências com essas questões (ex.: sobre certos termos não serem muito usados), ou tentativas de reescrever definições para que fiquem mais precisas para este contexto.

Otherkin, fictionkin e identidades não-humanas em "corpos supostamente humanos"

Como já expliquei neste texto, o significado de otherkin pode depender de acordo com a fonte:

Um kintype/tipo de kin seria uma espécie, ume personagem, um objeto ou qualquer outra coisa que a pessoa sente ser, de forma involuntária. Ao menos esta é a definição moderna, porque antes haviam mais interpretações diferentes que hoje em dia estão mais concentradas em seus próprios termos.

Therians/therianthropes/teriântropes/weres são aquelus cujos tipos de kin são animais, geralmente animais terrestres, ainda que há quem diga que qualquer pessoa que sinta ter uma experiência de animal possa se identificar como therian (Therianthropy vs Otherkin).

Therians começaram como uma cultura separada de otherkin, e muitas vezes ainda andam em comunidades separadas. Então é comum que therians tenham um foco maior em experiências de shifting, por exemplo (chiropterra/liminalbeast), enquanto não-humanes em comunidades otherkin geralmente colocavam mais importância em sua identificação ou cultura não-humana.

Theriomythics/teriomítiques são um meio termo ou o meio de um diagrama de Venn entre therians e a definição mais específica de otherkin. Ou seja, são aquelus cujos tipos de kin são animais, mas animais que não existem ou que não são comprovadamente animais que existem ou que existiram na Terra nesta linha do tempo, como unicórnies e dragones. Comunidades dracônicas são relativamente antigas e fortes, mas fora isso, não são tantas pessoas que se identificam como teriomíticas.

Phytanthropes/plantkin/greenkin são aquelus cujos tipos de kin são plantas. Nunca conseguiram se encaixar em espaços therians, e nem sempre se viram muito no conceito de otherkin, então como são rares, não há muito uma comunidade para elus, embora comunidades alterumanas e comunidades otherkin mais abrangentes proporcionem espaços para essas experiências (House of Chimeras).

Polymorphs/polimorfes são aquelus que não sentem ter uma espécie fixa, e que geralmente mudam de forma (de forma energética/espiritual/etc.) com base em traços de espécies que estão em volta.

Objectkin possuem objetos como tipos de kin. Geralmente são objetos relativamente elaborados e bem cuidados, como boneques ou máquinas. Objectkin é uma identidade muito usada por trolls, então muita gente na comunidade em comunidades otherkin e adjacentes não confia muito no conceito.

Conceptkin possuem conceitos como tipos de kin. Eu não tenho muita informação sobre isso, visto que só consigo achar glitchkin se categorizando como conceptkin, então não sei dizer se, por exemplo, voidkin (ter vácuo como tipo de kin) ou riverkin (ter um rio como tipo de kin) conta como ter um conceito como tipo de kin.

Fictionkin/fickin, às vezes chamades de "otakukin" no passado, são aquelus cujos tipos de kin usam mídia como sua referência. Há uma certa sobreposição com experiências teriomíticas ou otherkin caso a identificação seja como ume membre de uma espécie fictícia, mas também é possível ter personagens específiques como tipos de kin (o que também pode contar como outros rótulos citados caso a identificação seja como ume personagem específique que também não é humane).

Pessoas transespécie geralmente são não-humanes transgênero que rejeitam a ideia de que seus corpos são humanos, e que geralmente buscam euforia de espécie e/ou escapar disforia de espécie por meio de modificações corporais. Este é um termo bem polêmico dentro de comunidades alterumanas, especialmente das mais assimilacionistas (sad-wings-of-destiny, agroupingofmultitudes).

Endel é um termo exclusivo para pessoas neurodivergentes cujas identidades não-humanas (e/ou fictionkin) são causadas por, baseadas em ou influenciadas por delírios. Este foi um termo cunhado para ser utilizado por pessoas neurodivergentes que experienciam psicose ou delírios como autoidentificação, e não deve ser usado como insulto ou como forma de diminuir a alterumanidade de alguém (strawberrybabydog).

Polykin é alguém com mais de um tipo de kin.

Existem outras formas de identificação não-humana para as quais não conheço termos guarda-chuva (geralmente são conceitos mais novos que acabam se encaixando em um dos significados mais abrangentes de otherkin). Também existem categorias mais específicas que atravessam ou que estão dentro destas, como spacekin para aquelus cujos tipos de kin são relacionados ao espaço (sejam estrelas, constelações, vácuo, espécies alienígenas, etc.) ou divinekin para aquelus cujos tipos de kin são relacionados com religiões (como anjos, deidades, demônios, etc).

Para facilitar a leitura do texto, eu vou usar Otherkin (com O em caixa alta) como um termo que abrange todos estes conceitos.

Quais são as experiências que Otherkin podem sentir por serem Otherkin?

Muitas, e nenhuma é obrigatória para ser Otherkin, mas aqui estão alguns exemplos mais clássicos (a maioria daqui):

Acordar: Em comunidades Otherkin, acordar (awakening) significa começar a perceber sua Otherkinidade. Isso pode acontecer ao longo de muito tempo, ou de um dia pro outro. Nesse processo, Otherkin reavaliam suas vidas e percebem que não são humanes e/ou que são certe(s) personagem(ns).

Alergias estranhas: Existem elfes e fadas com aversão ou alergia a metais puros, por exemplo.

Inclinações/callings: Alguém pode sentir que possui inclinações para cumprir certas funções de forma instintiva com base em seu tipo de kin.

Memórias ou visões: Alguém que é Otherkin, especialmente se for alguém que acredita que é reencarnação de seu tipo de kin ou que reencarnará em seu tipo de kin, pode ter memórias/visões do ponto de vista de seu tipo de kin, que podem vir como devaneios, sonhos, lembranças, visões durante sessões de meditação, etc. É possível acreditar que tais visões/lembranças sejam de uma linha do tempo paralela em outro corpo/planeta/universo, ou que sejam de uma vida futura, ao invés de serem memórias de uma vida passada.

Noção de outro formato: Isso pode acontecer durante "transformações" (shifting) ou o tempo todo, mas é possível ter a impressão de que o corpo é ou deveria ser diferente, tomando as características da espécie/de personagem/do conceito/etc.

Saudades de "casa": Ume otherkin pode se sentir mal de estar entre humanes e querer viver entre sua espécie (e em seu universo/planeta, se aplicável).

Sentimento de habilidades faltando: Alguém cujo tipo de kin pode voar pode sentir que deveria poder voar, alguém cujo tipo de kin tem alguma habilidade mágica pode sentir falta disso, etc.

Quais são as explicações para alguém ser Otherkin?

Existem muitas, e é possível que se misturem, mas em geral quase todas elas podem ser classificadas em duas:

Espirituais: A pessoa acredita que é Otherkin por conta de ter sido não-humane e/ou ume personagem em outra encarnação, por acreditar que foi transformada em Otherkin por algum outro ser, por acreditar que sua vida como Otherkin tem um propósito divino, etc.

Psicológicas: A pessoa acredita que é Otherkin por alguma questão do cérebro, como algum tipo de dissociação, cérebro que funciona de forma diferente ou alguma outra explicação relacionada com neurodivergência.

Outra que não vejo muito, mas que difere dessas duas, é a explicação biológica, de pessoas que dizem ter antepassades não-humanes, ou que possuem certa mutação, e que portanto são geneticamente não-humanes. Uso não-humanes aqui porque nunca vi essa justificativa de forma que envolve personagens, apenas espécies.

Daí existem explicações mais específicas, como:

Alma dupla: Ser Otherkin tem a ver com ter múltiplas almas em uma só, ou com ter uma alma que é uma mescla de outras.

Arquetípica: Otherkin se sentem conectades a um arquétipo em um nível profundo e pessoal, e assim incorporam tais arquétipos;

Associação primal: Todes possuem lados primais em seus cérebros, ou seja, partes da personalidade e do modo de pensar que são regidos por instintos. Em algumas pessoas, esse lado primal pode ser bastante desenvolvido e essas pessoas podem identificá-lo como associado a alguma espécie não-humana.

Conexão com a Terra/Gaia: Therians são ligades à natureza e ao lado primal da humanidade, e são uma tentativa da natureza, de deidades ou de algum outro poder maior de tentar retornar o equilíbrio ao mundo. O objetivo de therians é lutar pela preservação do meio ambiente.

Conexão com magia: Otherkin são ligades a magia e a outros mundos, e são uma tentativa de deidades/seres mágicos/etc. de retornar magia a nosso mundo. O objetivo de otherkin é trazer magia à vida mundana e introduzir maravilhas em seus círculos. Esta é uma teoria mais popular entre fadas/faekin.

Conexão psíquica: Alguém pode, quando muito jovem, formar uma conexão psíquica profunda ao seu tipo de kin, e pode assim "tomar para si" a mente de tal tipo de kin a um ponto dela virar uma parte da pessoa, mesmo se a ligação psíquica for rompida.

Cunhagem/imprinting/estampagem: Quando criança, a pessoa teve uma reação psicológica provocada pelo seu tipo de kin que fez com que a pessoa adotasse a identidade de tal ser de alguma forma.

Dissociativa: Ser Otherkin tem a ver com ter um transtorno dissociativo, ainda que talvez não seja tão sério a ponto de ter que ser diagnosticado.

Divisão da alma: Almas podem quebrar ou se dividir em mais de uma parte, e tais partes podem ser absorvidas em outras. Uma alma externa pode se fundir a de alguém de forma que resulta em alguém ser Otherkin.

Genética: Pessoas passam genes de Otherkin de geração em geração, como tipos de corpos ou certas neurodivergências.

Ligação espiritual: Otherkin são ligades pela vida inteira com algum espírito e adotam os instintos e comportamentos de tal espírito.

Mental: Identidades Otherkin são fabricações da mente, onde a pessoa quer tanto ser algo (mesmo que subconscientemente) que sua mente cria mudanças de percepção, disforia de espécie e afins. São uma forma mais séria de "brincar de ser algo".

Partes da alma: Almas possuem várias partes segundo certos conceitos, e uma ou mais dessas partes ressoa com, tem a natureza de, tem o formato de ou de alguma outra forma é seu tipo de kin.

Reincarnação: Otherkins foram seu tipo de kin em uma vida passada, e qualquer tipo de conexão/sensação/etc. sentida se trata de memórias de uma vida passada. Também pode acontecer de suas almas terem sido reencarnadas em seus corpos por motivos específicos, ou da pessoa ter vivido tantas vidas como certa espécie que a natureza de sua alma é daquela espécie.

Ressonância energética: A energia de alguém Otherkin tem a mesma frequência ou amplitude da energia de seu tipo de kin, o que leva a perceber as similaridades entre elu e sue tipo de kin e descobrir tal tipo de kin.

Todes são Otherkin: Todo mundo tem um aspecto não-humano/Otherkin, e qualquer pessoa pode se descobrir Otherkin.

Explicações adaptadas daqui.

"Identificação com" ao invés de "identificação como"

Ter um tipo de kin significa acreditar ser, de alguma forma, tal tipo de kin. Mas há como ter identificações com espécies/personagens/conceitos/etc. que são muito importantes para a vida sem acreditar ser tal espécie/personagem/conceito/etc.

Otherhearted/otherkith, assim como otherkin, pode ter uma definição mais geral ou mais específica:

Um kithtype/tipo de kith/hearttype é alguma espécie/algum conceito/algume personagem/etc. que alguém fortemente se identifica com e/ou possui uma conexão integral com. (The Other Hearts)

Synpath é um nome para algo com que alguém se identifica em vários níveis, como um conceito que ressoa fortemente com a pessoa, uma espécie que a pessoa sente que age como, ume personagem com quem a pessoa compartilha vários comportamentos, etc. (stirdrawsandreblaws). Algumas pessoas consideram sinônimo de tipo de kith, mas nem todas.

Animalhearted é alguém cujo tipo de kith é um animal (geralmente presente ou extinto na Terra).

Fictionhearted é alguém cujo tipo de kith usa uma origem midiática como referência. Assim como a questão de otherkin e fictionkin, é possível que nem todo mundo que é fictionhearted se considere otherhearted, por conta de seus tipos de kith serem personagens humanes.

Quais são as características e experiências que estas identidades podem proporcionar?

Familiaridade/proximidade: Quem tem tipos de kith pode se sentir mais como ser família/amizade/relacionade a algo do que como ser algo (shadowfae). Pode vê-los como "relatable" (como algo profundamente entendível a um nível pessoal) (shadowfae). Pode sentir um grande conforto e/ou felicidade por estar em volta de tipo de kith/synpath ou em consumir conteúdo sobre isso (thetadelta).

Gosto forte: Geralmente, quem tem tipos de kin ou synpaths gostam bastante deles, podendo desejar ser eles e/ou gostar de vários traços deles. (Kinmunity, shadowfae, Therian Guide)

Sentimento de que algo deveria ser tipo de kin, mas não é: Segundo aestherians, esta é uma experiência comum para quem tem synpaths/tipos de kith. Também pode ser um sentimento de querer muito ser algo mas saber que não é de uma forma similar à disforia de espécie (Nonhumanity and Nonsense).

Transformações/shifting: Alguém pode sentir que não é literalmente seu tipo de kith, mas ainda assim se sentir como seu tipo de kith de vez em quando (aestherians).

Não existe muito um consenso sobre estas identidades serem involuntárias ou voluntárias. Algumas pessoas dizem que como não é uma parte tão integral da identidade, tipos de kith e synpaths são escolhas até certo ponto, enquanto outras pessoas dizem que são conexões profundas demais para poderem ser simplesmente escolhidas.

Copinglink, otherlink, etc.

O termo copinglink/c'link (antigamente copingkin) foi feito para pessoas que adotaram uma identidade similar a Otherkin para ajudar a lidar com trauma. Mais tarde, o termo passou a ser usado para qualquer pessoa que adotou alguma identidade Otherkin para lidar com qualquer coisa (who-is-page), e depois disso o termo otherlink foi cunhado para se referir a qualquer "identidade Otherkin voluntária" (flock-of-changes).

Como é um termo relativamente novo, ainda que pessoas possam dizer que são especificamente fictionlink pelo seu linktype/tipo de link ser fictício, por exemplo, otherlink cobre tanto identidades animais quanto mitológicas quanto de personagens e outras.

Tipos de link/linktypes são conexões voluntárias forjadas a uma estética, uma espécie, ume personagem, etc., de forma que a pessoa passa a se identificar com tal estética/espécie/personagem/etc.

Aeslink é um tipo de otherlink escolhido por sua estética (Therian Guide), ou um tipo de otherlink onde o tipo de link tem apenas a ver com sua estética, no sentido de aeslinkers adotarem a forma que tal personagem ou espécie veste/age apenas por motivos estéticos (Therian Wiki).

Fictionheir é um termo mais velho do que otherlink, e é para pessoas que "herdam" traços ou identidade de ume personagem de ficção, no sentido de decidir agir como tal personagem e tentar de certa forma continuar seu legado (fromfiction). Muitas vezes se coloca fictionheir como a mesma coisa ou como uma palavra mais antiga para fictionlink.

Funlink/f'link é uma identidade otherlink escolhida por diversão (Therian Wiki).

Purposelink é uma identidade otherlink que possui um propósito específico para existir (Therian Guide).

Supportlink/s'link é uma identidade otherlink escolhida para suporte emocional, para ajudar a pessoa a ter as emoções que quer na hora certa (Therian Wiki).

Como um tipo de link é forjado ou rompido?

Tipos de link podem ser o que e linker quer ou precisa, podem funcionar de qualquer forma que e linker sinta que é melhor, podem mudar ou evoluir e muitas vezes se constroem a partir de sentimentos já existentes, como tipos de kith ou sentimentos vagos de querer ter certo tipo de link. (flock-of-changes)

O processo de escolha de um tipo de link pode acontecer de várias formas, mas uma delas é escrever características pela qual a pessoa procura um tipo de link, e depois ir atrás de um tipo de link que possa satisfazer as condições (flock-of-changes).

Todo tipo de link deve ser estudado antes de uma conexão ser forjada (flock-of-changes). No caso de alguma espécie/algume personagem criade pela pessoa, a pessoa precisa pensar em suas características para que elas se encaixem no propósito da ligação (link-for-link).

Para forjar um tipo de link, pode ser útil consumir mídia sobre o tipo de link, pensar no que tal tipo de link faria em cada situação em sua vida e tentar entender como funciona o pensamento desse tipo de link (archiealterhuman).

É possível "reescrever" um tipo de link, mudando as características de tal personagem/espécie para que sirva melhor à pessoa com o tipo de link (link-for-link).

Em relação a cortar a ligação, algumes conseguem só parar de ter um tipo de link, enquanto outres precisam pensar em como vão substituir o que aquela ligação dá com alguma outra coisa antes disso (link-for-link).

Identidades vagas/indeterminadas

Othervague é um termo para quem não sabe ou não quer dizer se suas identidades são voluntárias ou não, ou se são uma "identificação com" ou uma "identificação como" (federatio-angelorum).

Vaguetype é uma identidade alterumana que se encaixa em muitas categorias mas que não se encaixa perfeitamente em nenhuma, ou que se encaixa em múltiplas categorias, ou quando a conexão não pode ser bem explicada (bbtheory). Pela descrição, parece ser uma cunhagem separada de othervague.

Uma identidade quoiluntária (quoi = quê em francês, vem do uso de quoi em quoigênero ou quoiorientade) é uma identidade onde o binário identidade voluntária ou identidade involuntária não é aplicável. Este termo é usado no contexto de alguém não saber se é Otherkin ou otherlink, ou escolher não decidir entre estes rótulos, por exemplo (flock-of-changes).

Paratype é ume personagem, criatura, animal, etc. que não é um tipo de kin ou um tipo de kith, mas que de alguma forma parece importante à identidade estabelecida de alguém. Pode ser algo que causa sentimentos parecidos com um tipo de kin já estabelecido de vez em quando, ou algo similar a um tipo de kith mas que não parece ser isso porque é algo que está perto do tipo de kin, por exemplo (aestherians, obligatorycoffee).

Fictionflickers são pessoas que experienciam temporariamente identidades fictícias, em geral logo após consumirem algum tipo de mídia com tais personagens (fictionkin-official). Experiências variam de fictionflicker para fictionflicker, e elas também podem ser parecidas com pluralidade ou soulbonding (fictionflickers).

Nullkind/nullthrope: Alguém que rejeita a identificação com uma espécie, que não define se é humane ou não-humane. Não é somente ser ambígue ou nenhuma das coisas, e sim se rejeitar a considerar um questionamento acerca disso. Podem rejeitar a classificação de alterumane também (vaguetypes).

Aliumkind/aliumthrope: Alguém que não se sente conectade a uma experiência humana, independentemente do motivo ou de sua identidade de espécie (vaguetypes).

Para saber o que pessoas destas identidades podem experienciar, sugiro ler sobre os detalhes de experiências Otherkin/otherhearted/otherlink/etc. nas seções anteriores, já que a maioria destas identidades é só vaga/indeterminada entre essas experiências.

Pluralidade, multiplicidade, sistemas, etc.

Muitas comunidades usam esses termos de formas diferentes, mas irei usar aqui pluralidade como um termo guarda-chuva para a experiência de ter mais do que exatamente apenas uma pessoa em um corpo (Alterhuman Terminology, Power to the Plurals).

Multiplicidade também é um termo muito usado como guarda-chuva (como em The Plural Dictionary), mas também é definido especificamente como ter mais de uma entidade separada em um mesmo corpo (Alterhuman Terminology).

Um sistema, no contexto de pluralidade, é um grupo de pessoas ou facetas dentro de um corpo (The Plural Dictionary).

Um sistema median é um onde há uma pessoa composta por várias facetas, de forma que a pessoa não é múltipla e nem singlet (não-plural). O limite entre onde uma pessoa "termina" e a outra "começa" não é muito bem definido, e es membres do sistema se veem como partes da mesma pessoa ou origem (The Plural Dictionary).

Um sistema misto tem tanto membres "separades" quanto "mesclades"; é um sistema com características median e múltiplas.

Um subsistema é um sistema dentro de um sistema. Por exemplo, se um sistema é composto por dois sistemas median separados, pode-se dizer que tais sistemas median são subsistemas.

Um sistema fractal é um onde cada membre é um subsistema complexo que muda bastante. O sistema frequentemente muda, copia e reinventa sues membres.

Camadas, no contexto de pluralidade, significa ter diferentes níveis em um sistema, onde pessoas diferentes vivem em camadas diferentes, podendo ou não saber que as outras camadas existem.

Um sistema polifacetado é um sistema median de 100+ facetas (The Plural Dictionary).

Um sistema polifragmentado tem 100+ pessoas. É comum que este tipo de sistema tenha vários subsistemas, fragmentos e camadas.

Um sistema poliplural é qualquer um que tenha 100+ membres.

Um sistema complexo é um sistema grande ou complexo, o que inclui sistemas multicamadas e polifragmentados, por exemplo.

Headmate é um termo comum para falar de "um ser dentro de um sistema". É um dos termos neutros/não-clínicos mais comuns para isso (MPD/DID Glossary, ver também outros glossários já linkados).

Pluran é outro termo para headmate, mas que foi cunhado especificamente para reconhecer membres de sistemas como pessoas por si só ao invés de apenas partes de um sistema, especialmente quando é comum ver sistemas como apenas uma pessoa que está dissociando ou fingindo (kinarchist). É um termo mais novo, então pode ter bastante gente que não o conhece.

Antes de entrar em outras formas de terminologia específica, acho que pode ser útil falar de como sistemas podem ser formados. Os quatro termos que mais vejo sendo usados são:

Endogênico: Um sistema que não foi formado por trauma. (The Plural Dictionary)

Multigênico/poligênico/origem mista: Um sistema formado por mais de um tipo de origem.

Quoigênico: Um sistema que rejeita revelar suas origens, que não sabe/não liga para saber delas, ou que não considera suas origens como algo explicável.

Traumagênico: Um sistema formado por trauma. Geralmente trauma formado na infância que se encaixa no critério de transtorno dissociativo de identidade ou de outros transtornos dissociativos especificados, mas este não é necessariamente o caso.

E daí existem outros termos relacionados à origem, geralmente mais novos e menos usados, como:

Agênico: Um sistema que não tem origem, ou que não quer saber de sua origem.

Criptogênico: Um sistema cujas origens são desconhecidas.

Espiritual/espirigênico: Um sistema que vê sua pluralidade como espiritual, independentemente de ser uma questão religiosa, de bruxaria ou outra.

Espontâneo: Um sistema que simplesmente se formou, sem nenhum motivo em particular.

Metagênico: Um sistema com origens metafísicas ou espirituais que não são necessariamente ligadas a qualquer prática ou religião.

Neurogênico: Um sistema formado por/para lidar com um transtorno mental/uma neurodivergência.

Pariogênico: Um sistema que é majoritariamente formado por soulbonds/walk-ins.

Parogênico: Um sistema onde membres foram propositalmente criades, geralmente por uma pessoa original pré-existente.

Partraumagênico/parotraumagênico: Um sistema formado por uma tentativa intencional de lidar com trauma.

Possessivo: Um sistema formado por um espírito possuindo alguém em um corpo a longo prazo.

Praesigênico: Um sistema cujas origens estão propositalmente não sendo reveladas para outras pessoas, porque isso é uma questão pessoal dentro do sistema e não é da conta de outres.

Protogênico: Um sistema que é plural desde nascer, ou desde as primeiras memórias.

Isso é importante porque existem várias formas de experienciar pluralidade, o que leva a bastante discussão dentro de comunidades plurais sobre que tipos de sistemas realmente existem ou podem se chamar de sistemas.

A inclusão de pluralidade dentro do guarda-chuva alterumano também é polêmica. Há quem acha absurdo comparar os sintomas de um transtorno mental existente em manuais de diagnoses (como transtorno dissociativo de identidade) com identidades não-humanas, por exemplo.

A questão é que não só ter mais de uma pessoa/mente/faceta dentro do mesmo corpo se encaixa na questão de ter uma existência humana alternativa, como também é relativamente comum que membres de sistemas tenham experiências parecidas ou comparáveis com Otherkin em certos aspectos. Sistemas podem, por exemplo, ter membres baseades em personagens e/ou membres não-humanes que passam por disforia de espécie.

Pela comunidade alterumana sempre ter sido composta por muitos sistemas, não acho justo deixar de incluir qualquer tipo de sistema sob o guarda-chuva alterumano. Porém, também acho que é justo não presumir que qualquer pluran se veja como alterumane ou frequente espaços alterumanos.

Tipos de plurans (sendo que é possível que plurans sejam mais de um destes, ou nenhum destes)

Observação sobre idade: Idade mental é, em geral, um conceito capacitista, formado em torno de comparar um desenvolvimento mental aparente de uma pessoa neurodivergente a um desenvolvimento mental aparente de uma pessoa neurotípica ideal. Na maioria dos casos, eu recomendo não atribuir idades mentais a si mesme ou a outras pessoas.

Porém, em relação a sistemas, a coisa pode ficar meio complicada, porque membres de sistemas podem ter nascido em épocas diferentes da idade do corpo, podem ficar dormentes por anos e acabar não avançando sua idade por esses anos, podem ser formades a partir de pessoas reais com idades específicas, etc. Eu não considero dizer que algo como "esse sistema é formado por uma pessoa de 17 anos e outra de 21" está necessariamente se referindo a esse conceito capacitista.

Aesthetive: ume introjeto que é uma estética personificada.

Age-Slider (deslizante de idade): Ume pluran cuja idade muda de tempos em tempos.

Alter: Um termo frequentemente visto como ofensivo que origina na ideia de que pluralidade na verdade se trata de alters se separando de ume hospedeire (host) por conta de trauma, com o objetivo do sistema sendo poder eventualmente reintegrar alters ae hospedeire. Há alters que não se importam com o termo, mas por ter a conotação de alters não serem pessoas reais, deve-se ter muito cuidado antes de dizer que alguém é alter ou tem alters.

Big (grande): Descreve ume pluran adulte.

Caretaker (cuidadore): Ume pluran cujo trabalho é cuidar de outres dentro do sistema, sendo grupos específicos ou o sistema inteiro. Geralmente cuida das crianças no sistema.

Clusterject: Ume introjeto que é um monte de pensamentos abstratos jogados em uma pessoa; cuja origem é uma série de pequenos interesses ou de outras coisas mesmo sendo ume pluran só.

Co-host (co-hospedeire): Pode se referir a ume host/hospedeire secundárie (The Plural Dictionary) ou a alguém que é host/hospedeire justo com outre(s) pluran(s) (headmatesfaq).

Comforter (trazedore de conforto): Ume pluran cujo trabalho é trazer conforto ao corpo, ao sistema, a headmates específiques, etc., de forma emocional ou física.

Core (núcleo): Ume pluran viste como original, como a primeira pessoa que nasceu no corpo. Este termo pode ser visto como estigmatizante. Vários sistemas não consideram possuir cores.

Daemon: Uma construção mental que geralmente toma uma forma animal e tem um corpo fora do corpo da pessoa que a criou, que é apenas visível para tal pessoa. Nem todas as pessoas veem criar ume daemon como realmente algo que forma ume membre em um sistema, mas há formas de ter daemons que são equivalentes a formar um sistema parogênico.

Expresser ("expressadore")/emotions releaser (soltadore de emoções): Ume pluran cuja função é expressar emoções ou ações que o resto do sistema não se deixa expressar por conta de abuso (headmatesfaq).

Extranthrope: Ume pluran não-humane.

Fableing: Alguém num sistema median que possui experiências em comum com fictives e fictionkin e que por isso se vê como algo entre as duas coisas ou adjacente a elas.

Factive: Ume pluran derivade de alguém existente. Em sistemas traumagênicos, factives podem ser pessoas que ajudaram a lidar com o trauma ou que causaram tal trauma.

Fucktive/faitive: Uma mistura de factive com fictive.

Fictive: Ume pluran derivade de ume personagem de ficção.

Fogtive: Alguém que é parcialmente ou quase factive, mas factive não parece um rótulo certo ou preciso. Parcialmente/entre factive e outra coisa, que pode ou não ser definida.

Fragmento/faceta: Ume pluran que não é completamente diferenciade ou desenvolvide. Fragmentos podem existir para realizar funções específicas ou representar ideias específicas. O termo pode invalidar plurans (dando a ideia de que não são pessoas reais) caso não seja usado com cuidado.

Fuzztive: Alguém que é parcialmente ou quase fictive, mas fictive não parece um rótulo certo ou preciso. Parcialmente/entre fictive e outra coisa, que pode ou não ser definida.

Gatekeeper (guardiane do portão): Ume pluran que consegue controlar certas funções, como o acesso ao corpo, a certes plurans, a certas memórias, etc.

Host (hospedeire): Se refere ae(s) pluran(s) que tomam controle do corpo com a maior frequência, e que é(são) frequentemente considerade(s) principal(is). Nem tode host é a primeira pessoa a existir no corpo, e nem todo sistema possui hosts. O termo pode ser ofensivo a outres membres do sistema caso não seja usado com cuidado; em visões medicalistas de pluralidade, alters devem eventualmente se reintegrar ae host.

Introjeto: Ume pluran que é baseade em figuras externas, como pessoas conhecidas ou personagens. É um termo guarda-chuva para fictives, factives e afins, mas também pode ser visto como ofensivo por conta de seu uso em contextos psiquiátricos.

Kinform: Ume pluran cuja origem foi um tipo de kin.

Little (pequene)/syskid: Ume pluran que é uma criança pequena.

Memory holder (seguradore de memórias): Ume pluran que guarda certas memórias do resto do sistema; geralmente memórias ruins ou traumáticas. Aquelus que só guardam memórias traumáticas podem ser chamades de trauma holders (seguradóries de trauma).

Parethnic: Ume pluran de uma etnia diferente do corpo. Geralmente isso acontece por serem introjetos cujas origens são pessoas/personagens de outras etnias.

Persecutor (perseguidore): Ume pluran que atrapalha/machuca outres membres de seu sistema e/ou o corpo, geralmente por ter internalizado mensagens abusivas e estar tentando proteger o sistema à sua maneira.

Protector (protetore): Ume pluran que protege o corpo, outres membres específiques do sistema ou o resto do sistema.

Servitor: Um ser sem consciência própria criado pela vontade de alguém com consciência própria, geralmente apenas para realizar uma tarefa específica.

Soulbond/SoulBond:

Thoughtform: Ume headmate que foi conscientemente criade dentro de um sistema (cluster-brains). Daemons e servitors são subtipos específicos disso, por exemplo. Algumas pessoas chamam certos tipos de thoughtforms de tulpas, mas isso é controverso visto que é um termo baseado em uma prática budista. Parogen foi um termo cunhado para que pessoas não tenham que usar tulpa, mas é mais comum ver pessoas continuando a usar tulpa ou só usando thoughtform.

Walk-in: Ume pluran que já existia como uma pessoa separada, mas que resolveu "entrar para" o sistema. Também existem relatos de singlets (não-plurais) que eram walk-ins e que tiveram seu corpo cedido por outra pessoa que estava no corpo antes. Introjetos podem se considerar/serem considerades walk-ins e vice-versa. A ideia de walk-ins é relativamente controversa, com pessoas dizendo que tiveram esta experiência e outras pessoas dizendo que isso não deveria ser possível.

Experiências pelas quais plurans, ou sistemas como um todo, podem passar

Blurring (borrando): Quando duas ou mais pessoas estão fronting, e a linha entre quem são fica mais tênue, ou quando duas pessoas acabam se misturando um pouco e ficando "borradas".

Celular interno: Um tipo de soulbond onde é como se tal soulbond estivesse em uma ligação de telefone permanente com e soulbonder, podendo se comunicar mas ainda sim vivendo sua própria vida em outro mundo.

Co-conscious (co-conscientes): Quando duas ou mais pessoas num sistema estão conscientes ao mesmo tempo. Geralmente isso significa que podem se comunicar entre si.

Co-fronting (ficando na frente junto): Quando duas ou mais pessoas tomam o controle do corpo de uma vez só. Isso também pode ser chamado de co-hosting.

Comunicação apenas externa: Quando a comunicação entre membres do sistema é puramente externa, via cadernos, chats, arquivos no computador, etc.

Comunicação apenas interna: Quando a comunicação entre membres do sistema é puramente interna, via pensamentos ou headspace.

Comunicação mista: Quando a comunicação entre membres do sistema não é puramente interna ou externa.

Cycling (em ciclo): Quando o controle do corpo é rapidamente e repetidamente trocado entre headmates.

Day tripping (visita diária): Um tipo de soulbond onde tal soulbond tem ligação com e soulbonder, mas viaja entre seu mundo original e a mente de soulbonder.

Dissipação: O processo de fazer com que uma thoughtform fique menos consciente com o tempo até sumir. É um processo equivalente à morte para aquelu pluran.

Dormência: Quando ume pluran está inconsciente ou dormente. Pode ser algo como dormir ou pode demorar bem mais tempo. Algumes plurans ficam dormentes quando não estão na frente, mas é possível que seja necessário mais do que isso para que ume pluran fique dormente.

Forcing (forçando): O processo de se concentrar e desenvolver a presença de thoughtforms, dando bastante atenção ou interagindo bastante com tais thoughtforms.

Forming (formando)/splitting (dividindo): O processo de formar uma pessoa, de forma involuntária ou voluntária.

Fronting (estando na frente): Quando alguém tem controle do corpo.

Front sticky (grudando na frente): Alguém que está continuamente sendo atraíde para o controle do corpo, mesmo que e pluran tente parar. Geralmente parece que o corpo quer que tal pluran fique no controle.

Front stuck (prese na frente): Alguém que não consegue parar de ter o controle do corpo, e que é forçade a tê-lo. Quando alguém está prese na frente, a pessoa não consegue sair dessa situação.

Fusão: Quando dues ou mais membres do sistema se fundem para temporariamente virarem uma pessoa só.

Gateway system (sistema portão): Um termo para sistemas com membres que podem ir e vir de outres mundos ou dimensões.

Headspace (espaço da cabeça)/inner world (mundo interno): Um lugar dentro da mente onde membres do sistema vivem, muitas vezes podendo se ver e ver outres membres do sistema. Nem todos os sistemas possuem um mundo interno.

Imposição/projeção: Alucinar a presença de ume membre do sistema fora do corpo. Pode ser que quem esteja controlando o corpo possa ver ou sentir essa imposição.

Integração: Geralmente se refere à fusão permanente de membres do sistema, de forma que diminui a quantidade de pessoas no sistema. Isso pode ser comparável à morte para algumes plurans, então é uma questão delicada. Este termo também é ocasionalmente usado para quando plurans com amnésia param de perder as memórias entre as memórias que outres plurans possuem.

Perder tempo/blecaute: É quando ume pluran não consegue lembrar do que acontece quando outre membre do sistema está na frente. Geralmente é um termo usado apenas por sistemas traumagênicos, mas não é necessariamente exclusivo a estes.

Plurissexo: É um termo para membres do sistema cujos corpos individuais possuem características sexuais fora do padrão ou não-humanas por conta de serem plurans.

Residência permanente: Um tipo de soulbond onde tal soulbond mora na mente permanentemente e não pode voltar para o lugar de onde veio.

Shadowing (sombreando): Estar consciente e relativamente associade com o corpo, mas sem estar no controle dele.

Singletsona: Uma "máscara", por assim dizer; uma versão supostamente não plural que um sistema finge ser quando não pode ou quer revelar que é um sistema.

Switching (trocando): Quando pessoas em um sistema trocam quem está na frente.

Identidades que questionam/querem transcender os limites da humanidade

Transumanistas possuem a ideologia de transformar humanidade com tecnologia. Algumas pessoas se consideram alterumanas por conta de como esta ideologia muda sua percepção sobre humanidade (Alt+H). Transumanismo é uma forma de pensar no futuro baseada em ver a espécie humana em sua forma atual como uma fase relativamente nova no desenvolvimento da espécie, e que pretende estudar as possíveis evoluções da espécie deste ponto de vista (What is transhumanism?)

Transumanistas falam sobre a possibilidade de pós-humanes, onde a partir da tecnologia pessoas conseguem viver mais, ter mais força, conseguir usar mais do cérebro, etc.

Até onde eu sei, existem transumanistas cis que só ficam pensando nessas questões possivelmente elitistas de como melhorar a raça humana, e transumanistas cisdissidentes e/ou não-humanes que pensam nas possibilidades de modificações corporais como forma de expressar identidades de gênero e/ou espécie, e que querem estudar o quanto é possível fazer modificações corporais úteis para essas identidades fora da norma. Mas isso é só um relato anedótico, nunca realmente conheci nenhum espaço transumanista.

Postfurries exploram as possibilidades que ocorrem quando se mistura ser furry com transumanismo, intertextualidade e vários casos de identidades, gêneros, orientações e espiritualidades incomuns (Postfurry Worlds). Muites postfurries se identificam com suas fursonas em um nível mais forte do que a maioria des furries e questionam "humane" como categoria (Alt+H).

Esta postagem fala que postfurry é uma maneira de pensar o que significa identidade. Que se furries questionam se pessoas também não podem ser animais, postfurries questionam se não é possível ter controle autoral sobre todos os aspectos da identidade.

Subculturas relacionadas

Furries são pessoas que participam de uma subcultura (muitas vezes chamada de fandom furry) que é baseada em gostar de animais humanóides (antropomórficos), incluindo répteis (scalies) e aves (avians). Muitas vezes, furries fazem fursonas, representações de si mesmes em animais antropomórficos. Furries não necessariamente são alterumanes, mas podem ser caso se identifiquem com suas fursonas mais do que com seus corpos humanos (Alterhuman Dictionary).

Ontopunk foi um termo criado por e para alterumanes, sendo uma ideologia e estética com base em rejeitar antropocentrismo, abraçar experiências "anormais" e expressões de alterumanidade, apoio a modificações corporais, aceitação radical, exploração aberta de identidades, cuidado com animais e plantas de todas as espécies, etc. Uma postagem mais completa se encontra aqui.

Sanguináries/vampires sang não se consideram necessariamente alterumanes, mas é comum que sejam colocades como uma subcultura similar a otherkin. São pessoas que se alimentam de sangue, ou por gostar disso ou por ficarem fisicamente fracas caso não consumam sangue.

Vampires emocionais são pessoas que dizem se alimentar de emoções, e que passam mal quando não conseguem fazer isso. Também não se consideram necessariamente alterumanes.

Voidpunk é uma subcultura para aquelus que se sentem rejeitades ou desconectades do conceito de humanidade, muitas vezes por terem identidades marginalizadas rejeitadas como "subhumanas". A pessoa que cunhou o termo não se considera alterumana, ou que voidpunk é um conceito inerentemente alterumano, mas muitas pessoas apontaram a similaridade entre as duas coisas. Mais sobre voidpunk aqui.

Conceitos considerados tradicionalmente humanos

Pode ser meio complicado categorizar alterumanidade sem saber o que é uma identidade humana comum ou tradicional. Em 2014, ao cunhar a ideia de alterumanidade, Malchior (phasmovore) fez uma postagem no Tumblr que definiu o que seriam "ideias comuns à humanidade socialmente" como:

Mesmo assim, depende mais de cada pessoa o que ela mesma considera fazer ou não parte da alterumanidade, acima de qualquer uma dessas definições.